Violência contra jovens negros motiva audiência de frente parlamentar em Timbaúba

Violência contra jovens negros motiva audiência de frente parlamentar em Timbaúba

O município de Timbaúba, na Zona da Mata Norte, distante 98 quilômetros do Recife, sediou mais uma audiência pública da Frente Parlamentar de Combate ao Extermínio da Juventude Negra em Pernambuco. Na manhã desta quarta (10), o colegiado da Assembleia Legislativa, coordenado pelo Bispo Ossesio Silva, discutiu a violência na região, que atinge, sobretudo, essa parcela de jovens. Em 2016, segundo a Polícia Militar, 37 assassinatos ocorreram na cidade. Este ano, o número de homicídios já chega a 21.

O encontro, realizado na Câmara Municipal de Timbaúba, foi solicitado pela vereadora Conceição de Jerônimo , que fez a abertura da audiência. Ela chamou atenção para os perigos das drogas, além de ressaltar a importância da educação e do papel das igrejas no combate à violência que envolve a juventude.

Em seu discurso, o Bispo Ossesio Silva enfatizou que a escolha de Timbaúba para sediar a quinta audiência pública sobre o tema foi motivada, principalmente, pelos índices de violência que vêm aumentando no município. O parlamentar destacou que a cidade tem cerca de 20 bairros, inúmeras comunidades carentes, e mais de 30% de sua população é jovem. “Não é novidade que muitos desses crimes vitimem a juventude negra e pobre”, lamentou.

Em todo o País, prosseguiu o deputado, ocorre uma média de 60 mil homicídios por ano, sendo metade das vítimas jovens, e quase 80% delas são de cor negra e moradoras das periferias. Bispo Ossesio atribui os crimes ao racismo, que, conforme frisou, “alimenta o desinteresse da sociedade chamada branca” para o problema. Ele ainda citou estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), intitulado Vidas Perdidas e Racismo no Brasil, apontando que o percentual de negros mortos no País é 132% maior que o de brancos.

O capitão Anacleto Silva representou o Comando do 2º Batalhão da PM na audiência e confirmou o número de assassinatos em Timbaúba, de 2016 até maio deste ano. De acordo com o militar, muitos dos casos estão relacionados ao tráfico de drogas. “Cabe a nós o máximo empenho em combater essa violência, independentemente dos motivos”, sentenciou. Conforme o capitão, a cidade conta com uma viatura, mas “tem obtido reforço no policiamento e conseguido prender criminosos”.

Falando em nome da deputada Teresa Leitão (PT), que não pôde comparecer ao evento devido a compromissos na Assembleia, a assessora Maria da Conceição Ferreira observou que muitos desses jovens são mortos pela polícia. Ela fez questão de lembrar o assassinato do estudante Edvaldo da Silva Alves, vítima de um tiro de bala de borracha em Itambé (Mata Norte), em abril passado, cuja autoria é atribuída a um PM. “A cada 23 minutos, um jovem negro é assassinado no Brasil”, completou. Ela lamentou que muitos negros não se reconheçam como tal e usem termos como “mulato” e “moreno” para se definir.

QUEIXA – Elione reclamou da falta de oportunidades para a juventude da cidade.

Entre outros depoimentos da audiência, o da produtora cultural Elione Silva foi enfático. Ela reclamou da falta de oportunidades para a juventude de Timbaúba. “O município não possui nem sequer uma quadra poliesportiva, então o que esperar que os adolescentes façam à tarde, depois que saem da sala de aula?”, indagou. Elione argumentou que muitos jovens são mortos porque “estão nas periferias precisando vender drogas a fim de conseguir dinheiro para comprar comida para as suas famílias”.

O encontro contou, entre outros, com a participação de vereadores do município vizinho de São Vicente Ferrer (Agreste Setentrional); representantes de igrejas evangélicas e católica; do Conselho Tutelar; além de estudantes do Ensino Médio de Timbaúba e professores.

Histórico – A Frente Parlamentar foi criada em junho de 2015, com o objetivo de combater o preconceito, a discriminação e a violência e, ainda, de aprofundar, no âmbito da Assembleia, as políticas de combate aos crimes contra jovens negros.

Desde então, o grupo promoveu um Grande Expediente Especial e audiências públicas, como as realizadas no Cabo de Santo Agostinho (Região Metropolitana do Recife) e em Caruaru (Agreste). Além do Bispo Ossesio  e de Teresa Leitão, participam da frente os deputados Edilson Silva (PSOL), Eduíno Brito (PP) e Joel da Harpa (PTN). Um novo encontro do colegiado, que está elaborando documento para ser entregue ao governador Paulo Câmara, deverá acontecer este mês, em Paulista.

Fonte e fotos: Alepe

Deixe seu comentário